Biscoitos beta @Terceira. Desenvolvido no âmbito da disciplina de TIC no ano de 2009.

Quinta-feira, 09 de Setembro de 2010

Neste post gostaria de partilhar algumas coisas que fui colhendo e valorizando. Vou falar do pouco que sei sobre o software livre.

O meu sistema operativo preferido é o Ubuntu - uma das várias distribuições do sistema GNU/Linux. Este S.O. respeita a liberdade dos seus utilizadores, são eles que controlam e são eles que ajudam a construí-lo.

 

Ubuntu é conhecido como a distribuição GNU/Linux mais user-friendly e como isto ainda é uma novidade para mim, fiz uma boa escolha e aconselho quem quiser experimentar GNU/Linux a começar justamente por esta distribuição. Posso ainda recomendar que faça este teste para saber qual a distro mais adequada para si - Linux Distro Chooser.

 

Sendo o Ubuntu livre ele respeita, pelo menos, 4 liberdades essências para com os utilizadores.

 

0. Liberdade de executar o software para qualquer propósito.

1. Liberdade de estudar como o programa funciona e modificá-lo como desejado - é a liberdade de ajudar-se a si mesmo.

2. Liberdade de distribuir cópias - partilha.

3. Liberdade de distribuir o programa modificado - ajudar os outros.

 

Para respeitar as liberdades 1, 2 e 3 é necessário que o código fonte do software seja disponibilizado.

 

O que mais me atrai, uma vez que não percebo de programação, é a partilha. Posso partilhar com quem quiser todo o software livre, sem pedir autorização a ninguém. Também me atrai a questão do preço, porque, para além do Ubuntu ser livre, também é grátis. Atenção: não confundir livre com grátis. O software pode ser livre, mas pago; ou pode ser grátis, mas proprietário = não livre.

 

Podemos pensar na filosofia do software livre como cozinheiros. A receita em si chama-se código fonte (ou source code) e o prato que comemos é software que usamos.

Vamos pôr lado a lado Windows e Ubuntu neste exemplo.

O Windows é um bolo, muito saboroso para uns e sem gosto para outros, mas que muitos comem. O Ubuntu é um bolo tal como o Windows, mas na altura em que se pergunta: HUMMM! Que bom! Podes-me dar-me a receita? Só o Ubuntu dá. E depois?

 

Qual será o bolo que é melhor ou poderá ser o melhor?

Eu digo o Ubuntu, porque dando a receita (código fonte) estamos a dar a hipótese a outras pessoas de a partilharem, de a modificarem e juntarem ou tirarem ingredientes que possam melhorar o sabor do bolo.

É assim que eu vejo o desenvolvimento de softwares livres. Só que é bom saber cozinhar (programar) para ajudar ainda mais. Mesmo só usando o software já estamos a ajudar - estamos a testá-lo - para além do prazer que dá  aos programadores de ver pessoas a usarem uma coisa que eles criaram. Um bolo que não se come estraga-se.

 

Empresas de software proprietário trabalham com um número limitado de empregados. Em oposição, programas livres são desenvolvidos por centenas de pessoas espalhadas por todo o globo terrestre, todos contribuindo com a sua parte e não cobrando nada pelo seu trabalho. Fazem-no por gosto e prazer, para se ajudarem a si e ao mesmo tempo ajudarem os outros.

 

Partilhar é uma faculdade humana que não pode ser negada.

 

 

 

Se quiser ficar a saber mais aconselho a visitar estes websites:

FSF GNU Ubuntu

publicado por Sobrinho às 10:32

pesquisar
 
Setembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Últ. comentários
Gostei!!! Tá mesmo lindo, tava muito inspirado :)
olá vasco :)
Estavas mesmo inspirado. Gostei. :)Tchau. Beijinho...
http://aet.myfirehost.com/http://aet.myfirehost.co...
http://www.funny-games.ws/fear_unlimited_arena_2.h...
CAAAALAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA BOOO...
LOOL Jorge e depois The_Bleeder HAHA GG=)
ja te enganaste nao e assim mque se escreve xpl0de...

Windows 7 Sins

The next version of Ubuntu is coming soon
stopsoftwarepatents.eu petition banner

blogs SAPO


Universidade de Aveiro